Categories Poemas

Passeios

Quieto magistralmente …diz palpitante colega de navegação no rumo sudeste ao lado que não interessa neste momento. Respirar.

Concluído o processo de respirar, inspiração nas pedras latentes ao largo do murmúrio ofuscante, o luar ficaria aquém se tal confronto se proporcionasse.

O ranger dos dentes, é o raspar do fundo no silêncio de quem por ali naufragou, afortunados em destinos perseguidos sem tal sorte, sem tal nada…

Os dias por ali significam análise, condição assimilada em pessoas por vezes não registadas.

A análise desse dia em lugares parecidos com esses que nos fazem recordar a viagem, resumem-se por vezes ao fundo do saco, que na proa vai seguindo esquecido. Fora outrora de outro, que murmurando também se perdeu nessa demanda internamente ingrata. Hoje temos de remar até aos confins de ti, hoje o eco será em ti, mas que falta de sorte, mas que falta de nada.

Chegou-se ao reino da exclamação atordoada, pois não existe barco para tamanho de tal desafio.

Estamos na mesma, que dia cansativo!

Share

Your comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *