Desenhar e criar mundos imaginários já era um hábito desde criança mas só comecei a pintar a óleo desde 2003, altura em que despertei para a pintura e o surrealismo. O sonho era ser pintor, a vontade era ser artista. 
Mas quis o destino que a minha formação fosse em Design gráfico, cuja licenciatura no IADE(Lisboa) ficou concluída em 2007.

Durante a licenciatura no ano de 2006, tive a oportunidade de viver um ano em Barcelona ao abrigo do programa Erasmus. Durante esse ano desenvolvi o gosto pelo empreendedorismo iniciando um projecto na área digital que é hoje a minha empresa – Makeadream – Digital Craft Agency. Criar uma empresa no inicio da crise foi uma escolha que teve tanto de determinação como de ingenuidade. Durante o período de 2009 a 2017, foram anos muito intensos e que exigiram o tempo que não pude dar à minha verdadeira paixão, a arte e a criação visual.
Porém, foi também durante este período que consolidei o meu principal pilar emocional: a Família, o contraforte que me permitiu continuar a explorar rumos artísticos e não desistir nos períodos mais “pesados”.

Foi também durante este período que o “meu surrealismo” foi ganhando outros caminhos e outros suportes. O desenho em papel passou a conhecer novos formatos e comecei a perceber que explorando técnicas digitais conseguiria obter os resultados visuais que a minha mente projectava. Percebi que a arte digital me abria outros horizontes, outros suportes e uma nova dimensão por explorar.

O onirismo surge como uma vertente natural no meu trabalho, sendo uma temática ligada à mente, ao imaginário e a resultados visuais inquietantes por decifrar. Hoje, sinto que estou ainda a meio de um processo por potenciar e explorar, mas o caminho está mais claro e a minha alma mais alinhada com o sonho.

Visual Oneiric Poetry é o nome que dei a este processo, onde conjugo o gosto pela poesia e pela arte onírica.